Publicado em Deixe um comentário

Banco de dados de espécies de plantas nativas do estado do Rio de Janeiro

Uma das estratégias do Paisagismo Sustentável é o uso de plantas nativas da região em que se está implantando o projeto. O uso dessas plantas garante a manutenção da biodiversidade local e proporciona alimentação própria para a fauna nativa, inclusive para insetos que ajudam no controle das pragas. Essas plantas também se adequam mais facilmente ao regime de chuvas da região, diminuindo o consumo de água potável para irrigação.

Outro grande benefício do uso de plantas nativas é o cultural: a adoção dessas plantas no paisagismo, coloca as pessoas em contato com a natureza original da região em que habitam, e que muitas delas desconhecem.

O Rio de Janeiro está inserido no bioma da Mata Atlântica, tendo inúmeras espécies nativas fabulosas que podem ser usadas no nosso paisagismo. Pensando nisso, desenvolvi um banco de dados com as espécies de plantas nativas da flora do estado do Rio de Janeiro, já usadas no paisagismo nos dias de hoje.

Minha pesquisa foi correlacionar espécies de plantas indicadas em livros, sites e publicações sobre arborização e paisagismo, amplamente utilizadas por profissionais do meio, com os sites de entidades especializadas em botânica, como o Flora Brasil 2020 e o CNC Flora, ambos do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.

O resultado é o banco de dados Plantas nativas do estado do Rio de Janeiro. Você pode acessá-lo aqui ou no menu superior do site. Navegue no banco através dos filtros apresentados na coluna da direita.

Uma observação importante: plantas para uso paisagísticos devem ser sempre adquiridas em produtores responsáveis. Não se deve, nunca, colher uma planta diretamente de um meio natural em que se encontra. Muitas plantas nativas da Mata Atlântica se encontram em perigo crítico de extinção, justamente por causa disso.

Essa pesquisa foi feita com base em literatura e sites especializados em Botânica e Paisagismo. Mas se você for usar as informações aqui contidas em projetos e trabalho científicos, recomendo que você acesse as fonte originais que utilizei, indicadas na página Bibliografia utilizada no site.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *